Em defesa da democracia, UNE e UBES transferem sede para Porto Alegre

Estudantes repetem feito de 61, quando construíram a Campanha da Legalidade, e, diante do julgamento do ex-presidente Lula, reafirmam sua posição em defesa de sua candidatura em 2018.

 

Em 1961, após a renúncia do presidente Jânio Quadros, uma forte pressão política ameaçava a posse do vice João Goulart, o que gerou grande mobilização estudantil. Na época, a UNE transferiu temporariamente sua sede para Porto Alegre, marcando para sempre a história do país na Campanha da Legalidade.

 

Hoje, 57 anos depois, os estudantes voltam a repetir o feito, para mais uma vez defender a democracia: UNE e UBES transferem neste dia 22 de janeiro de 2018 suas sedes para a capital gaúcha e se mobilizam contra o processo judiciário marcado por perseguições e decisões parciais contra o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

 

O recurso de Lula sobre a sentença do juiz Sérgio Moro será julgado no próximo dia 24 de janeiro pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre. Até lá, os estudantes estarão mobilizados, resistindo pela democracia e por seus direitos.

 

Nesta segunda-feira (22), a partir das 13h, um primeiro ato na sede do DCE da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) marca o início da luta e resistência estudantil na capital gaúcha. O evento contará com a presença de ex-presidentes da entidade, como Aldo Arantes, que estava à frente da UNE em 1961.

 

Em nota, a UNE afirmou que tentam condenar Lula sem provas, com o intuito de impedir o seu direito de ser candidato. ”Portanto, se ousarem condená-lo provarão o caráter político de todo este processo. Se há corrupção e improbidades, que se façam as investigações cabíveis, mas em consonância com o Estado de Direito. Sendo assim, as entidades estudantis, UNE e UBES, reafirmam sua posição em defesa do direito de Lula ser candidato”, diz o documento.

 

Para a presidenta da UNE, Marianna Dias, o poder Judiciário não está acima do povo brasileiro. ‘’Nós estudantes entendemos que aqui vai ser julgado um homem sem haver provas contra ele. Por isso, o centro da democracia e da luta política do nosso país, hoje, é Porto Alegre’’, destacou.

 

Crédito: UNE

poa1.jpg