A esperança e a experiência se juntam nos apoios do grupo da velha guarda de militantes da esquerda

 

Em Porto Alegre, um grupo da chamada velha guarda da militância política de esquerda resolveu se reunir e manifestar publicamente seu apoio à democracia e ao direito do ex-presidente Lula concorrer a presidente da República, em outubro deste ano. São pessoas que estiveram presentes nas lutas da resistência ao golpe de 1964 e que agora, novamente, estão juntas para acompanhar o julgamento de Lula, no TRF-4, no dia 24 janeiro. Carinhosamente chamados de a ala dos “cabeças brancas”, eles querem usar toda sua  experiência, de anos de militância política, nas atividades marcadas para o dia 22 e 23, em Porto Alegre.

 

O jornalista Paulo de Tarso Riccordi explicou que o grupo de militantes está se manifestando publicamente, afirmando que o julgamento de Lula é injusto e ilegal. “A velha guarda está retornando à militância, com a tradicional firmeza e com o bom humor de sempre. São homens e mulheres que resistiram ao golpe de 1964 e combateram a ditadura militar e agora assumiram mais este desafio, que é defender a democracia e o direito do ex-presidente concorrer em outubro próximo”

 

Paulo de Tarso Riccordi reforçou a relevância da participação das pessoas com mais de 60 anos, como exemplos para os mais jovens, que estão buscando se inserir nos movimentos políticos e se filiando aos partidos, o que atualiza a energia da participação coletiva. “E nós estaremos presentes nos dias 22, 23 e 24 para organizar este movimento da velha guarda na política”, afirmou Riccordi.

 

 

PRÓXIMA REUNIÃO DA VELHA GUARDA:
Nesta quarta-feira, dia 17, às 15h, na rua Lima e Silva, 140.